Descubra como é que a cannabis mata as células cancerígenas e deixa as outras saudáveis!

Há mais de 40 anos que os estudos que provam o incrível poder da cannabis no combate ao cancro têm vindo a ser silenciados ou completamente ignorados pelo governo dos EUA. O governo continua a empurrar para outros tratamentos, muitas vezes pondo em causa a sua saúde em geral, e tem vindo a exercer leis contra o uso de cannabis para fins medicinais.

O principal problema na pesquisa médica feita sobre a cannabis é o fato de ser necessária uma permissão federal, por ser ilegal.

O analista sénior da Organização Nacional para a Reforma das Leis da Cannabis (NORML), Paul Armentano, reuniu os resultados de múltiplos estudos sobre o efeito da cannabis nas células cancerosas. Ele descobriu que o governo dos Estados Unidos tem evitado ouvir algumas evidências bastante conclusivas.

O que mostram os estudos sobre a relação entre o cancro e a cannabis?


O relatório de Armentano sobre os canabinóides (os compostos ativos da cannabis) e as formas como eles podem afetar as células cancerígenas, reuniram décadas de pesquisa sobre o assunto.

Ele começa seu estudo com uma citação de uma conclusão de uma outra revisão abrangente. “Canabinóides possuem … atividade anticancerígena [e pode] possivelmente representar uma nova classe de medicamentos anticancerígenos que retardam o crescimento do cancro, [e] inibem … o espalhamento metastático de células cancerosas”.


Armentano, de seguida, volta 4 décadas atrás, com um estudo de 1974 realizado pela Faculdade de Medicina da Virgínia. Este estudo descobriu que a cannabis inibiu o crescimento de células tumorais malignas em células recolhidas e em ratos. O estudo foi publicado no Washington Post e concluiu que o canabinoide primário da cannabis, THC, “retardou o crescimento de cancros de pulmão, cancro da mama e leucemia induzida por vírus em ratos de laboratório e prolongou as suas vidas em cerca 36%”.

Apesar dessas descobertas muito promissoras, o governo recusou qualquer financiamento futuro por 20 anos. Assim foi, até que um estudo de meados dos anos 90 pelo US National Toxicology Program. Mais uma vez, eles descobriram que a cannabis teve um impacto positivo – roedores e ratos que receberam doses elevadas de THC durante longos períodos de tempo experenciaram uma maior proteção contra tumores malignos do que os roedores não tratados.

Os resultados deste estudo foram mantidos em segredo. Eles só vieram à luz depois de terem sido expostos em 1997 para uma revista médica, que os lançou para a mídia nacional. Mesmo assim, o governo não tem vindo a financiar mais estudos sobre o assunto nos caso dos EUA.

Felizmente, ao longo das últimas duas décadas, a investigação realizada noutros países acerca do tema tem vindo a ser desenvolvida e continuou a relatar sobre as capacidades dos canabinóides na luta contra o cancro. Estes estudos mostraram como ajudam a parar muitos tipos de cancro como o da próstata, do pulmão, mama e até mesmo cérebro (3). Pesquisadores italianos reiteraram: “[Canabinóides] têm demonstrado uma grande potência na redução do crescimento de tumores de glioma … sem afetar a viabilidade de [células saudáveis].” (3)

Estas descobertas são vitais, quer como os tratamentos tradicionais, como a quimioterapia são implacáveis – não discriminando entre as células cancerosas e saudáveis. Parece que os canabinóides podem distinguir as células cancerosas.

Como é que a cannabis consegue matar as células cancerígenas?

De acordo com o documentário da PBS “Limpando o Fumo: A Ciência da Cannabis”, este incrível poder deve-se aos receptores das células em todo o corpo. Você pode pensar em receptores quase como “fechaduras” e quando a “chave” direita vem junta e elas conectam-se com o bloqueio, ele manda uma mensagem. Mensagens típicas podem ser que o corpo está sob ataque, e o sistema imunológico precisa de responder, ou mesmo algo tão simples como o registo de dor.

No caso da cannabis, os pesquisadores descobriram dois receptores de canabinóides nas células por todo o corpo. Para estes receptores, os canabinóides presentes na cannabis são a “chave” mais importante. Estes receptores canabinóides são chamados receptores CB1 e CB2. Os receptores CB1 estão localizados principalmente no cérebro, mas estão presentes em muitos órgãos principais por todo o corpo, como o coração e o fígado.

Os receptores CB2 são encontrados em células por todo o sistema imunológico. Quando essas células se tornam cancerosas, elas não morrem como células normais, mas crescem e se espalham incontrolavelmente. Mas o mais importante é que eles ainda mantêm os seus receptores CB2, mesmo quando se tornam cancerosos.

Esses receptores CB2 atuam essencialmente como um alvo para os canabinóides presentes na cannabis. Quando esses compostos atingem os receptores, ou seja, a “chave” e o “bloqueio” se reúnem, libertam uma mensagem crítica – os canabinóides dizem às células cancerosas para morrer.

Surpreendentemente, o que se segue é apenas isso – as células “cometem suicídio”. Os canabinóides são capazes de matar as células cancerosas assim tão eficazmente.

O futuro do tratamento do cancro?

Até ao momento, ainda há muito mais pesquisa que precisa de ser feita para que os benefícios dos canabinóides no combate ao cancro seham plenamente compreendidos e apreciados. Parece que o estigma social associado à cannabis danificou muito a pesquisa médica, e por muito tempo, embora o futuro comece a parecer um pouco mais verde.