25 anos depois, é assim que está o menino que foi rejeitado pela sua aparência

Você nunca deve ter lido o nome de Jono Lancaster, e nem deve saber que ele, que hoje é um dos professores mais inspiradores do mundo, ajuda uma comunidade muito especial, que sofrem da mesma síndrome que ele. Quando nasceu, há 33 anos, o bebê britânico, que ainda não tinha nome, foi abandonado pelos pais 36 horas depois de nascer. Os dois não queriam o filho por ele ter nascido com a Síndrome de Treacher Collins, que faz com que a pessoa tenha um rosto sem alguns músculos, o que faz dele diferente. Desde o nascimento, a vida de Jono não seria fácil, mas ele, como um verdadeiro herói, mostrou como superou o preconceito e hoje é exemplo para muitas pessoas.

Logo depois de ser colocado para adoção, um anjo apareceu na vida de Jono: a escritoria e historiadora Jane Lancaster, de Yorkshire, da Inglaterra. A mulher fez de tudo para o rapaz tivesse uma boa adolescência, mesmo assim, em diversas entrevistas, Jono conta que sentia-se infeliz, mas que procurava esconder aquilo da mãe, que fazia de tudo por ele. O professor lembra que chegava a cortar o cabelo em casa para não ter que se olhar no espelho em local público.


Porém, com o apoio da mãe, aos 20 anos, Jono conseguiu seu primeiro emprego, em um bar, e a sua vida começou a mudar. O rapaz começou a conhecer pessoas que não se importavam pelo rosto dele ser diferente. Isso fez com que Jono começasse a sentir-se parte de algo. A partir daí, tudo melhorou. Jono conseguiu um emprego em uma academia, onde conheceu a sua mulher, Laura Richardson. Pela primeira vez, o então jovem pode ser er ele mesmo com uma garota.

Anos depois, Jono e Laura compraram a própria casa e começaram a vida juntos. Ao mesmo tempo, rapaz tornou professor de um grupo de adultos com autismo, e não parou por aí. Sempre que pode, o britânico viaja ao mundo para dar apoio e visitar crianças que também são portadoras da síndrome de Treacher Collins. Em um dos casos que ficaram conhecidos mundialmente, o homem foi até a Austrália para dar suporte a um bebê de apenas dois anos.


Mesmo com tanto destaque, Jono ainda vive um drama. Em 2009, o homem tentou reencontrar os pais biológicos, que se recusam a conhecer o filho. O britânico conta que chorou muito na época e ainda sofre por ser rejeitado por eles. A verdade, que muitos dizem, é que esses pais não merecem Jono, uma personalidade realmente inspiradora.